FUNCEFFUNCEF

ACESSIBILIDADE

Planos da FUNCEF superam meta no 1º semestre

04 de Outubro de 2017

O primeiro semestre de 2017 consolidou a tendência de recuperação dos investimentos da FUNCEF. A rentabilidade do Novo Plano, o REB e o REG/Replan Não Saldado superaram a meta atuarial enquanto que o REG/Replan Saldado ficou apenas 0,15 ponto percentual abaixo. Os números constam nos balancetes aprovados pelo Conselho Deliberativo na sexta-feira (29/09) e publicados no site da FUNCEF. 

01_Rentabilidade_por_plano2-01.jpg

O resultado foi impulsionado por uma alocação mais conservadora. Entre as medidas tomadas estão o aumento do volume de recursos aplicados em renda fixa, especialmente em títulos públicos, e a vedação de novos investimentos em ativos sem liquidez (que não podem ser convertidos em dinheiro rapidamente, como FIPs) nos planos maduros, aqueles em que o número de aposentados supera os ativos.

A FUNCEF terminou o primeiro semestre de 2017 com R$ 56,9 bilhões em ativos. Deste total, R$ 25 bilhões (43,9% do total) estavam aplicados em títulos públicos com marcação na curva, ou seja, que irão permanecer na carteira de investimentos da Fundação até o vencimento.

Apesar da redução da taxa Selic, os títulos atrelados à inflação (IPCA + cupom de juros) contribuíram para o resultado positivo, uma vez que o IPCA acumulado do semestre alcançou 1,18%, levemente acima do INPC acumulado (1,12%), índice utilizado como referência para as metas atuariais dos planos da FUNCEF. 

A Fundação também aproveitou o bom momento da Bolsa, que vem registrando sucessivas máximas recordes. A renda variável a mercado, que representa 7,49% da carteira consolidada, foi o grande destaque positivo no primeiro semestre de 2017, com alta de 7,20%. 

Contencioso

Os balancetes chamam a atenção para o crescimento rápido do contencioso classificado como perda possível da FUNCEF. Ele abrange as ações judiciais avaliadas como tendo menos de 50% de probabilidade de execução e que não aparecem no balanço porque não necessitam de provisionamento, ao contrário do contencioso provável.  

A elevação foi de R$ 12,8 bilhões, em dezembro de 2016, para R$ 15,3 bilhões em junho deste ano. Do valor total, 90% se referem a disputas trabalhistas pleiteando a inclusão, no cálculo dos benefícios dos participantes, de hora-extra, promoções e, principalmente, CTVA (Complemento Temporário de Ajuste Variável de Mercado).

Como a Fundação não é uma entidade geradora de receita, apenas administra as contribuições feitas por participantes e patrocinadora, toda vez que é acionada na Justiça quem acaba arcando com o ônus são todos os participantes.

Deficit

Apesar dos resultados positivos, o deficit consolidado da FUNCEF variou R$ 756,4 milhões no primeiro semestre de 2017. O motivo principal é o próprio impacto da meta atuarial sobre a sua fatia não equacionada. Para frear o avanço do deficit, é necessário buscar uma rentabilidade de investimentos de um ponto percentual acima da meta atuarial, conforme decisão dos órgãos colegiados da FUNCEF.

Comunicação Social da FUNCEF


Imprimir

Saiba sobre os planos de equacionamento

Informações do REG/Replan Saldado e Não Saldado

Matriz

SCN - Q. 02 - Bl. A - 11º, 12º e 13º andares
Ed. Corporate Financial Center
70712-900 - Brasília - DF

Central de Relacionamento: 0800 706 9000

Horário de Atendimento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, exceto feriados.

 

 

MAIS NOTÍCIAS