Logo funcef

Institucional

FUNCEF atua no Congresso Nacional para isenção de imposto aos fundos de pensão

Reuniões com lideranças dos diversos partidos sobre reforma tributária seguem nesta semana

09 de Julho de 2024

A FUNCEF trabalha na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e na Esplanada dos Ministérios para que os fundos de pensão sejam isentos dos impostos previstos nas propostas de regulamentação da reforma tributária (PLP 068 e 108).

O Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e a Contribuição Sobre Bens Serviços (CBS) poderão ter alíquota base de 26,5%. Esse percentual refletiria nos custos das entidades fechadas de previdência complementar (EFPC) e no benefício dos participantes. O setor estima que os benefícios poderão ter redução de até 10,92% no valor pelo texto original da reforma.

Em reuniões no Congresso Nacional e no Ministério da Fazenda, o presidente da FUNCEF, Ricardo Pontes, destacou que os fundos de pensão não têm fins lucrativos e, portanto, não poderiam ter a mesma tributação dos bancos e demais instituições financeiras que atuam no mercado de previdência privada. As entidades apenas administram a poupança previdenciária formada pelos associados ao longo da vida laboral.

090724_Img_noticia_atuacao_funcef_congresso04.jpg

“Fomos muito bem recebidos na Câmara, no Senado e na Fazenda e acreditamos que vamos conquistar essa isenção. Todos foram bem receptivos ao argumento de que as EFPCs não têm fins lucrativos e qualquer mudança no texto original da reforma irá gerar impacto e custos nos benefícios, o que não é razoável com os participantes ”, conta Ricardo Pontes.

Como há previsão de votação nesta semana (jul/2024), a FUNCEF, ao lado da Previ, Petros, Postalis, Ceres, Funpresp, Abrapp, Anapar, entre outras entidades, segue atuante no Congresso Nacional para que a matéria seja alterada. Na semana passada, o deputado federal Moses Rodrigues (União-CE) manteve em aberto a decisão sobre a taxação aos fundos previdência complementar,  deixando a decisão para o Colégio de Líderes.

 “Vamos continuar no trabalho de convencimento dos congressistas e do governo federal até a isenção”, informa o presidente da FUNCEF.

Os  representantes dos fundos têm lembrado aos parlamentares também que os participantes já são tributados ao obter o benefício na aposentaria ou nos resgates, de acordo com o regime tributário escolhido pelos beneficiários. O modelo é o mesmo usado no restante do mundo quando se trata dos recursos para acumulação de benefício previdenciário.

De acordo com a Abrapp, o Brasil conta hoje com mais de 250 entidades fechadas previdência complementar, formadas por fundações ou sociedades sem fins lucrativos. Elas atendem  a 10 milhões de pessoas em um sistema previdenciário solidário, mutualista e não remunerado com a repartição de superávits e déficits.

PLP 068 e 108

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 68/2024 faz parte das matérias que regulamentam a reforma tributária no Brasil. Ele institui e regula o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), que irá fundir o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias (ICMS) e Imposto sobre Serviços (ISS), a Contribuição Social sobre Bens e Serviços (CBS), que substituirá contribuições sociais, como o Programa de Integração Social (PIS) e o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e o Imposto Seletivo (IS), criado para taxar produtos prejudiciais à saúde ou ao meio ambiente.

Já o Projeto de Lei Complementar (PLP) 108/2024 propõe uma série de mudanças no Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos (ITCMD). A ideia é uniformizar a legislação tributária dos Estados, no caso de heranças,  de acordo com o texto da reforma tributária (EC 132/2023).

Atualmente,  os fundos de pensão recolhem PIS/Cofins na etapa administrativa,  na gestão dos recursos. A tributação está sendo questionada no Supremo Tribunal Federal (STF) porque as EFPCs não visam ao lucro, ao contrário dos produtos de previdência privada aberta, comercializados pelas instituições financeiras, como VGBL e PGBL.

Comunicação Social da FUNCEF

Tags: reforma tributária Relacionamento Institucional tributação

Mais notícias