Logo funcef

Gestão

FUNCEF tem menor custo por participante pelo quarto ano seguido, diz Previc

Estudo aponta que a despesa per capita da Fundação em 2021 foi 42% inferior à média das entidades consideradas sistemicamente importantes

29 de Julho de 2022

Pelo quarto ano seguido, a FUNCEF apresentou o menor custo por participante entre os maiores fundos de pensão do país em ativos, segundo análise publicada pela Previc, órgão fiscalizador do segmento, nesta quinta-feira (28/7).

Com base nos dados de 2021, a Fundação registrou uma despesa per capita de R$ 1.356,90, 42% inferior à média (R$ 2.358,53) das 17 entidades de previdência fechada consideradas sistemicamente importantes pela Previc. Juntas, elas administram 64% dos recursos do segmento. 

“A gestão eficiente das despesas, que incluem pessoal e encargos, viagens, treinamento e serviços de terceiros, é um desafio constante na FUNCEF e traz resultado direto ao bolso dos participantes”, afirmou o presidente da Fundação, Gilson Santana. "Além dos resultados dos investimentos, mantemos o passivo sob controle para garantir um modelo sustentável", complementou. 

A busca por maior eficiência operacional, digitalização de processos e controle de gastos permitiu, em 2022, o sexto corte em sete anos nas taxas de carregamento, que incidem sobre as contribuições e benefícios para cobrir as despesas decorrentes da administração dos planos. A redução acumulada desde 2015 é de 32,2% para os ativos e de 45% para aposentados e pensionistas. 

O benefício direto estimado ao bolso dos participantes é superior aos R$ 100 milhões, uma vez que os valores não descontados foram mantidos em suas reservas matemáticas. 

Números do relatório

O Relatório das Despesas Administrativas das EFPC Exercício 2021 mostra a FUNCEF com o menor custo por participante entre os fundos de pensão com pelo menos R$ 45 bilhões em ativos totais e as seis maiores entidades com patrocínio predominantemente público.

Considerando-se a série histórica do estudo da Previc, a despesa per capita da Fundação vem crescendo a um ritmo muito inferior à inflação medida pelo INPC, que é o indexador de reajuste de salários e serviços. A diferença chega a 35 pontos percentuais entre 2010 e 2021. 

Ainda segundo o relatório, a taxa de administração da Fundação (despesas administrativas sobre recursos garantidores) foi calculada em 0,19% em 2022, o que representa uma queda de 37% em relação a 2017. Também é duas vezes inferior à média de 0,41% cobrada pelos 17 fundos ESI.

Principais medidas

A principal medida de gestão realizada em 2021  foi a execução do projeto de readequação do tamanho da estrutura da FUNCEF, aprovado pelo Conselho Deliberativo, que busca oportunidades de ganhos de produtividade no quadro de pessoas e em processos.

O projeto deve ser concluído este ano e gerar uma economia anual adicional de R$ 15,3 milhões a partir de 2023. Esse montante representa uma redução de 15% em encargos e salários, em valores de 2019, que será obtida com a terceirização de áreas, automação de processos e consequente enxugamento do quadro de pessoal. 

Ritmo menor do que a inflação

Apesar da pressão inflacionária, a variação das despesas administrativas foi de 3,39% em 2021. Isso significa que, pelo quinto ano seguido, os gastos da FUNCEF caíram em termos reais, ou seja, evoluíram em ritmo inferior ou ajustado ao INPC no ano anterior.

“O gasto anual da Fundação manteve-se estável no patamar médio dos R$ 185 milhões nos últimos seis anos. Se neste período os gastos tivessem acompanhado o INPC acumulado, o montante seria quase R$ 47,5 milhões maior”, explicou o presidente Gilson Santana.

Comunicação Social da FUNCEF

Tags: custo por participante despesas administrativas gestão gestão despesas participantes

Mais notícias